O comércio eletrônico toca a campainha

Loja de bijuterias Juv&You une conceitos do e-commerce e da venda direta para chegar a faturamento de R$ 300 milhões nos próximos cinco anos

Klinger Portella- iG São Paulo |


Divulgação
Guilherme Chevarria e Lívia Abrarpour, da Jov&You: modelo de vendas multicanal

Uma vendedora toca a campainha da casa à espera de uma potencial cliente. Mas, nas mãos, ao invés do tradicional catálogo, um tablet com todas as novidades de uma loja virtual de bijuterias. A proposta de aliar a força do comércio eletrônico com a tradição das vendas diretas – o Brasil é o quarto maior mercado do mundo – foi o que levou à criação da Juv&You, que completa seus primeiros seis meses de operações.


Leia também:O "Facebook" que te dá dinheiro com as compras de teus amigos


Juntos, os quatro sócios e cinco fundos de investimento – que conta com aportes, entre outros, do alemão Florian Otto, presidente do Groupon Brasil -, investiram R$ 15 milhões no projeto, que já foi replicado em países como Índia, Rússia e Alemanha.

Inspirado na norte-americana Stella & Dot, o conceito da Juv&You é levar às consumidoras as bijuterias finas e acessórios por meio de vendas multicanais. “Esse é o grande diferencial do nosso negócio”, diz Guilherme Chevarria, diretor de operações da empresa.

A revendedora pode oferecer os produtos da Juv&You no tradicional porta a porta – nos moldes de marcas tradicionais, como Avon e Natura -, mas também é possível fechar as vendas no site da empresa e na loja virtual que a marca oferece para cada vendedora. A comissão oferecida é de 20%.


Veja mais: Ele tem 53 anos e já criou 32 empresas


Outra aposta da Juv&You é o Encontro de Estilos, um bazar em que as revendedoras recebem suas potenciais clientes para um coffee break ou um jantar em casa e, na parte final, oferecem os produtos da marca. “Esse modelo é muito forte nos Estados Unidos e aqui ainda não temos essa cultura.”

A empresa não revela a divisão de vendas por canal atualmente, mas estima que as negociações virtuais – que incluem um aplicativo desenvolvido para tablets das revendedoras – chegarão a 80% das vendas até 2018.

"Parece-me uma estratégia bem inteligente, unir o porta a porta ao e-commerce, já que a figura da revendedora minimiza os eventuais desconfortos do consumidor com a venda virtual", diz o coordenador dos cursos de Marketing da Pós-Graduação da FAAP, Richard Zinic.

Para o especialista, o consumidor brasileiro está cada vez mais multicanal, variando compras online com físicas. "O desafio é a loja perceber se seu público-alvo se sente confortável com o uso das tecnologias oferecidas."



Planos

Segundo Chevarria, a Juv&You conta, atualmente, com 400 revendedoras no Brasil. A meta dos investidores é chegar a 22 mil nos próximos cinco anos, quando a empresa – estimam eles – terá um faturamento na casa dos R$ 300 milhões ao ano (a Natura, por exemplo, teve R$ 1,7 bilhão de receita em 2011).

O diferencial da Juv&You para o modelo adotado por Natura e Avon está na junção com as facilidades do e-commerce, diz o diretor de operações da marca. Ele conta que, feito o pedido por qualquer canal de compras, a entrega pode acontecer em até 24 horas. “No caso da Natura, por exemplo, a entrega pode levar de 30 a 45 dias”, compara.

Para a revendedora, a segurança da Juv&You é que o estoque e a entrega são responsabilidades da própria empresa. Mas, para entrar no clube, é necessária a compra de um kit de demonstração, que varia de R$ 99 a R$ 199. Aí, é nos moldes antigos mesmo.

FONTE: IG ECONOMIA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO CONVERTER CRUZADOS EM REAIS?

MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO (EMPRESARIAL)

O QUE É CONTAINER REEFER?