GASOLINA

Gasolina deve aumentar 5%, diz Banco Central

Gasolina deve subir 5%, diz Banco Central
Ata de última reunião do Copom para determinar taxa de juros também cita inflação e taxa de eletricidade
 
 
 
 
 

Gasolina poderá ter reajuste 'em torno' de 5%, diz Banco Central

 

estadao.com.br (© Grupo Estado - Copyright 1995-2010 - Todos os direitos reservados.)
 




BRASÍLIA - Depois de muito tempo sem mexer em suas projeções para o aumento de combustíveis no País, o Banco Central revelou nesta quinta-feira, 24, que os preços da gasolina deverão subir "em torno" de 5% em 2013. Além disso, a autoridade monetária conta com um recuo de "aproximadamente" 11% na tarifa residencial de eletricidade. Os prognósticos foram apresentados na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana passada, que foi divulgada há pouco pela autoridade monetária. Sobre a menor tarifa de energia, os diretores do BC salientam que a estimativa leva em conta os impactos diretos das reduções de encargos setoriais já anunciados e as revisões tarifárias programadas para este ano. No caso de tarifa de telefonia fixa e do preço do gás, a autoridade monetária conta com uma estabilidade dos preços em 2013.
Levando-se em conta todas as novas expectativas para o comportamento dos preços, o BC revisou para cima a sua projeção da alta dos preços administrados e monitorados este ano, que passa a ser de 3%, no lugar de 2,4% previsto até a reunião do Copom de novembro. Para 2014, a previsão de elevação de preços para este grupo foi mantida em 4,5%.



Inflação

O Copom avaliou que o balanço de riscos para a inflação apresentou piora no curto prazo. Nesse mesmo trecho, o colegiado do Banco Central enfatizou também que a recuperação da atividade doméstica foi menos intensa do que o esperado, "bem como que certa complexidade ainda envolve o ambiente internacional". A informação está no parágrafo 31.
A projeção para a inflação oficial em 2013, medida pelo Índice de Preços ao Consumido Amplo (IPCA), subiu e segue acima do centro da meta de 4,5% tanto no cenário de referência quanto no de mercado traçados pelo Banco Central.
De acordo com o documento, o cenário de referência leva em conta as hipóteses de manutenção da taxa de câmbio em R$ 2,05 e da taxa Selic em 7,25% ao ano "em todo o horizonte relevante". "Nesse cenário, a projeção para a inflação de 2013 aumentou em relação ao valor considerado na reunião do Copom de novembro e se posiciona acima do valor central de 4,5% para a meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN)", descreveram os diretores do BC.
No cenário de mercado, que leva em conta as trajetórias de câmbio e de juros coletadas pelo Banco Central com analistas de mercado às vésperas da reunião do Copom, a projeção de inflação para 2013 também aumentou e se encontra acima do valor central da meta para a inflação. Para 2014, ainda conforme o documento, em ambos os cenários, a projeção de inflação está ligeiramente acima do valor central da meta.



Selic

A ata da reunião da semana passada repetiu o teor do comunicado que se seguiu à decisão de manutenção da taxa básica de juros. A votação pela manutenção da Selic em 7,25% ao ano foi unânime.
"O Copom entende que a estabilidade das condições monetárias por um período de tempo suficientemente prolongado é a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta."



Recuperação econômica

O Copom avalia que o ritmo de recuperação da atividade econômica doméstica, menos intenso do que se antecipava, se deve essencialmente a limitações no campo da oferta, de acordo com a ata da reunião da semana passada. "Dada sua natureza, portanto, esses impedimentos não podem ser endereçados por ações de política monetária, que são, por excelência, instrumento de controle da demanda", diz o documento no parágrafo 26.
Segundo o BC, apesar da fragilidade do investimento, "que reflete, em grande parte, o aumento de incertezas e a lenta recuperação da confiança", a demanda doméstica continuará a ser impulsionada pelos efeitos defasados de ações de política monetária recentes, bem como pela expansão moderada da oferta de crédito para pessoas físicas e jurídicas.
"O Comitê entende, adicionalmente, que a atividade doméstica continuará a ser favorecida pelas transferências públicas, bem como pelo vigor do mercado de trabalho, que se reflete em taxas de desemprego historicamente baixas e em crescimento dos salários, apesar de certa acomodação na margem."



'Não linear'

O Copom retirou da ata a expressão "não linear", usada para explicar seu prognóstico de que a inflação seguirá para o centro da meta de 4,5%, ainda que esse movimento não ocorra de maneira uniforme. A expressão, quando usada pela primeira vez, causou agitação no mercado financeiro, bem como quando foi retirada, no comunicado do Copom da semana passada que se seguiu à decisão de manter a Selic em 7,25% ao ano.
Na última ata, de novembro, a expressão pode ser encontrada duas vezes. Na primeira, aparece no trecho que repete o comunicado da decisão do Copom da ocasião, quando a Selic foi mantida pela primeira vez no atual ciclo em 7,25% ao ano. "Em resumo, o Copom avalia que o cenário prospectivo para a inflação apresenta sinais favoráveis e reafirma sua visão de que a inflação acumulada em doze meses tende a se deslocar na direção da trajetória de metas, ainda que de forma não linear."
Na segunda vez, a expressão aparece no parágrafo 32. "Diante do exposto, considerando o balanço de riscos para a inflação, a recuperação da atividade doméstica e a complexidade que envolve o ambiente internacional, o Comitê entende que a estabilidade das condições monetárias por um período de tempo suficientemente prolongado é a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta, ainda que de forma não linear."



Preços

Na ata da reunião da semana passada, o Copom destacou que há evidências de pressões de preços nos mercados de commodities metálicas. Disse ainda que, em certa medida, essas pressões são contrabalançadas por moderação nos segmentos de commodities agrícolas e energéticas. A ata anterior citava apenas "evidências de moderação de pressões localizadas de preços no segmento de commodities agrícolas", decorrente de um choque desfavorável de oferta.
O Copom reconhece que há maior dispersão de aumentos de preços ao consumidor. Para o comitê, esse é um dos fatores que tendem a contribuir para que, no curto prazo, a inflação se mostre resistente.
Os outros fatores, segundo a ata, são a reversão de isenções tributárias, pressões sazonais e pressões localizadas no segmento de transportes, segundo afirmação feita no parágrafo 29. "O Copom avalia que a maior dispersão, recentemente observada, de aumentos de preços ao consumidor e a reversão de isenções tributárias, combinadas com pressões sazonais e pressões localizadas no segmento de transportes, tendem a contribuir para que, no curto prazo, a inflação se mostre resistente."



Expansionismo

A ata avalia que "iniciativas recentes" apontam o balanço do setor público em posição expansionista. Ao mesmo tempo prevê que a demanda doméstica tende a se apresentar robusta.
Na opinião do colegiado, esse movimento pode ser observado, em especial, no consumo das famílias por causa dos efeitos de estímulo, como o crescimento da renda e a expansão do crédito, apontada no documento como "moderada". "Esse ambiente tende a prevalecer neste e nos próximos semestres, quando a demanda doméstica será impactada pelos efeitos das ações de política recentemente implementadas, que, de resto, são defasados e cumulativos", escreveram os diretores no documento.
O Comitê citou que esses efeitos, os programas de concessão de serviços públicos, os estoques em níveis ajustados e a gradual recuperação da confiança dos empresários criam perspectivas de retomada dos investimentos. Apesar de citar o papel expansionista do governo, o Copom ponderou, por outro lado, que o cenário internacional "ainda frágil" é um fator de contenção da demanda agregada. "Esses elementos e os desenvolvimentos no âmbito parafiscal e no mercado de ativos são partes importantes do contexto no qual decisões futuras de política monetária serão tomadas, com vistas a assegurar a convergência tempestiva da inflação para a trajetória de metas."



Superávit

O Copom considerou que a meta de superávit primário do governo este ano é de R$ 155,9 bilhões. Este montante é o que consta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2013. Para 2014, a autoridade monetária considera como hipótese de trabalho, a geração de superávit primário em torno de 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB).



Crise global

Na ata da reunião da semana passada o comitê diz que os riscos para a estabilidade financeira global permaneceram elevados. "Apesar de identificar recuo na probabilidade de ocorrência de eventos extremos nos mercados financeiros internacionais, o Comitê pondera que o ambiente externo permanece complexo", diz o parágrafo 25.
O Copom também avalia que, de modo geral, mantiveram-se inalteradas as perspectivas de atividade global moderada. "Nas economias maduras, parece limitado o espaço para utilização de política monetária e prevalece cenário de restrição fiscal neste e nos próximos anos. Já em importantes economias emergentes, o ritmo de atividade tem se intensificado, amparado pela resiliência da demanda doméstica."

Atualizado: 24/01/2013 09:00 | Por CÉLIA FROUFE E EDUARDO CUCOLO, estadao.com.br

FONTE: ESTADÃO - MSN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO CONVERTER CRUZADOS EM REAIS?

MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO (EMPRESARIAL)

Como tirar o registro profissional(Mtb) - Jornalistas