EMPREENDEDORES

 
 
 
 

De empregado a patrão: serviços crescem e ganham mais empreendedores

Setor apresenta crescimento econômico e mostra mudança fundamental em sua estrutura, como plano de carreira, melhoria na renda e mais acesso ao crédito

Vinícius Ferreira - iG São Paulo |
 
O que para muitos é começar de baixo, para eles é apenas o início de algo muito grande, um sonho quase irreal para a maioria dos brasileiros. Dono de cinco restaurantes, entre eles os badalados Piselli, Maremonti e Zena Caffé, Juscelino Pereira se tornou um dos empresários mais respeitados do ramo gastronômico de São Paulo. Mas se hoje ele conseguiu a independência financeira e conta com centenas de funcionários, antes seus amigos eram o pano de limpeza, a esponja e a vassoura.
 
“Comecei lavando prato, servindo mesa, estava bem longe de ser padrão. Cheguei a maître, gerente, daí virei sócio e hoje sou dono”, conta o empresário, que conhece a fundo todas as áreas da gastronomia.
 
Thinkstock Photos
Restaurantes têm investido na gestão de funcionários para melhorar resultados
A história de Juscelino hoje é mais comum do que muitos pensam. Se o que antes era sorte e muita dedicação, hoje, segundo o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, isso se traduz como reflexo de um mercado de serviços mas aquecido.
 
“Houve uma melhoria na renda e mais acesso ao crédito nesta última década, o que possibilitou o aumento do consumo e, consequentemente, a expansão do mercado interno. Houve, principalmente, uma melhoria no ambiente legal, com o Simples e o Microempreendedor Individual [MEI], que facilitaram a formalização do empreendedor”, conta Barretto.
 
O representante do Sebrae também ressalta o crescimento do setor terciário em relação aos outros. “A partir dos dados do Caged [Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego] mostra que em junho [2013] o setor de serviços foi o que gerou mais empregos, com saldo líquido positivo de 42.199 novos postos.”
 
Juscelino avalia na prática essas mudanças. O empresário lembra que antigamente não existia RH que estimulasse o funcionário a crescer: "Era a vontade do cara que contava". Mas, como lembra o dono de restaurante, a área tem crescido e se diversificado. "Você encontra desde cantinas tradicionais que prezam por aquele garçom tradicional com décadas de carreira, até os points mais descolados que investem na beleza dos funcionários para compor o ambiente. Hoje temos plano de carreira, coisa que no meu tempo não tinha", explica.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Outro exemplo de uma nova empresária gerada pelo bom momento das atividades ligadas a servilços é a da ex-faxineira Rosi Schafer, que chegou ao Rio de Janeiro com 18 anos, vinda da Bahia, para ser cuidadora de um idoso e hoje oferece atendimento na área de limpeza doméstica como franqueada da House Shine. “Pela dificuldade de arrumar outro emprego como cuidadora após a morte do meu patrão, me tornei auxiliar de serviços gerais em uma empresa. Fiquei mais ou menos dois anos e meio na função, até que passei para auxiliar de escritórios e posteriormente consegui ser coordenadora da área de faxina", relata. Ao todo, foram cinco anos na empresa até que Rosi decidiu, junto com o marido e uma sócia, abrir a uma própria empresa.
 
 
 
Conhecimento
           
Barretto, do Sebrae, avalia o surgimento de novos estabelecimentos, como os restaurantes de Juscelino e a empresa de Rosi, de forma positiva, mas frisa que conhecimento do serviço não é o principal na hora de se tornar o patrão. “No setor de serviços o principal diferencial de competitividade das empresas é a qualidade no atendimento, ou seja, a capacidade de satisfazer o cliente, de proporcionar uma boa experiência que fidelize o consumidor e o estimule a recomendar o serviço a outras pessoas. Facilita nessa empreitada certo conhecimento que a pessoa já tem do negócio, como a noção do perfil ao atendimento ao cliente. Porém, é importante se capacitar e buscar orientação, o que aumenta as chances de sucesso da empresa.”
 
Para quem quer se tornar um novo empresário, Barretto aconselha. “Definir o produto ou serviço que se quer colocar no mercado e o público-alvo, ou seja, os potenciais consumidores com perfil de renda adequado para adquirir o produto ou serviço oferecido. É importante estabelecer o ponto de venda e a logística de operação [abastecimento e distribuição], pensar nas condições de financiamento da operação e no prazo de retorno para o investimento". Outra questão essencial, segundo o presidente do Sebrae, é formar adequadamente o preço do produto ou serviço e avaliar a viabilidade do negócio. Mas antes de tudo, "é preciso pensar na formalização da empresa, com o devido registro do contrato social, registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica [CNPJ], obtenção de alvarás e licenças, abertura dos registros contábeis, dentre outros.”
Agradecimentos:
Restaurante Piselli, rua Padre João Manuel, 1253, Cerqueira César São Paulo
House Shine – Unidade Ipanema, Rio de Janeiro. (21) 3507-5354


FONTE: IG ECONOMIA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO CONVERTER CRUZADOS EM REAIS?

CRIE CURSO ONLINE

MODELO DE AVISO DE MUDANÇA DE ENDEREÇO