TESOURO DIRETO: CONFIRA AGORA OS MITOS DESTE INVESTIMENTO

 
 

 

Os 5 Maiores Mitos Sobre

 o Tesouro Direto

 (o #3 é o maior deles)

 
Os 5 Maiores Mitos Sobre o Tesouro Direto (o #3 é o maior deles)
 
 
 
O Tesouro Direto é uma das melhores aplicações de renda fixa existentes no mercado.
 
Se você ainda não investe em títulos públicos, é provável que esteja deixando de ganhar um bom dinheiro com seus investimentos.
 
O problema é que muitos mitos rondam esta excelente aplicação financeira, impedindo que vários investidores otimizem a rentabilidade dos seus investimentos.
 
Para ajudar você, fiz um levantamento dos cinco maiores mitos relacionados ao Tesouro Direto e vou desmitificar cada um deles a partir de agora.
 
 
 

Mito #1 – É complicado investir no Tesouro Direto

Investir no Tesouro Direto é muito simples.
O problema é que muitas pessoas cometem o erro de buscar informações sobre este investimento no seu banco.
Seu banco não tem interesse que você invista em títulos públicos, pois eles não ganham nada com isso.
Para seu banco, é muito mais vantajoso que você continue investindo em previdência privada ou nos fundos de investimento que eles oferecem.
Para investir no Tesouro Direto, você só precisa seguir três passos:
  • Abrir uma conta numa corretora;
  • Transferir o dinheiro da sua conta corrente para a conta na corretora;
  • Efetuar sua primeira compra.
Todo esse processo pode ser feito pela internet e é bastante simples.
 
 
 

Mito #2 – Preciso permanecer com o título até o vencimento

Essa é outra mentira que muita gente conta por aí…
Os títulos do Tesouro Direto possuem ótima liquidez, podendo ser vendidos semanalmente, sempre às quartas-feiras.
Então você não precisa se preocupar em encaixar perfeitamente o prazo dos títulos com seus objetivos, pois existem títulos que podem ser vendidos antes do vencimento sem perdas financeiras (o Tesouro Selic, novo nome da LFT é um exemplo).
 
 
 

Mito #3 – O resgate antes do vencimento é sempre desvantajoso

Este mito está relacionado ao mito anterior, pois muita gente pensa que, ao efetuar o resgate antes do vencimento, sempre essa operação será desvantajosa.
E essa é outra mentira.
Ao resgatar antes do vencimento, a rentabilidade será definida pela taxa do título no dia do resgate, e não pela taxa contratada no momento da compra.
Por essa razão, a rentabilidade pode ser diferente da contratada, tanto para mais quanto para menos.
Então nem sempre esse resgate será desvantajoso.
Claro que é sempre importante adequar o prazo de vencimento dos títulos ao prazo dos seus objetivos, para evitar o resgate antecipado.
Mas isso definitivamente não é uma regra e, com um pouco de conhecimento, é até possível fazer ótimos negócios vendendo títulos antes do vencimento.
 
 
 

Mito #4 – Só vale a pena para investimento de longo prazo

O investimento em títulos públicos é adequado para curto, médio e longo prazo.
Alguns títulos vencem em menos de dois anos e outros em mais de 30 anos, por exemplo.
Ou seja, tem para todos os gostos e objetivos.
Eles podem ser usados tanto para quem quer trocar de carro em alguns meses (curto prazo) quanto para quem quer comprar seu imóvel em 5 anos (médio prazo) ou se aposentar tranquilamente (longo prazo).
 
 
 

Mito #5 – Não vale a pena investir por menos de 2 anos, por conta do imposto de renda

Por conta da incidência do imposto de renda, muitos pensam que só vale a pena investir se puder permanecer com o título por mais de 2 anos, para pagar a menor alíquota do imposto de renda (15%).
Outro mito.
Se você puder permanecer até esse prazo, certamente será mais vantajoso, pois o imposto de renda será menor.
Mas mesmo que você precise vender em pouco tempo, ainda assim é um investimento mais vantajoso que a caderneta de poupança e a grande maioria dos CDBs e fundos de investimento oferecidos pelo seu banco, por exemplo.
No caso da poupança, mesmo se você tiver que pagar a alíquota mais alta do Imposto de Renda (22,5% para resgates em menos de 180 dias), ainda assim a rentabilidade líquida será maior (no caso da LFT, que não apresenta volatilidade na venda antecipada).
E nos casos do CDB ou fundos de investimentos, estes também sofrem a incidência do Imposto de Renda, nas mesmas condições dos títulos públicos.
 
 

Conclusão

Além da falta de conhecimento sobre o Tesouro Direto, muitos mitos são espalhados por aí justamente para afastar os pequenos investidores desta excelente aplicação financeira.
E isso é muito ruim, pois eu acredito que o Tesouro Direto é a melhor aplicação financeira de renda fixa para pequenos investidores, podendo acelerar o alcance dos seus objetivos financeiros.
Também é uma ótima ferramenta para planejar ter uma aposentadoria tranquila. Muito melhor, por exemplo, que a maioria dos planos de previdência privada.
Por essa razão, eu recomendo fortemente que você adquira conhecimento sobre este excelente investimento.
O eBook Como Investir Dinheiro, livro digital oficial do blog Quero Ficar Rico, é um excelente ponto de partida.


Até a próxima!


Rafael Seabra

Conquistou a independência financeira e
quer ajudar outras pessoas a
alcançarem o mesmo objetivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMO CONVERTER CRUZADOS EM REAIS?

MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO (EMPRESARIAL)

O QUE É CONTAINER REEFER?